Documentos:
» Pesquisar
Date Picker
» História
Informação Sumária de são jorge
 
 
Padroeiro: S. Jorge.
 
Habitantes: 718 habitantes (I.N.E.2011) e 918 eleitores em 05-06-2011.
 
Actividades económicas: Agricultura, pecuária, panificação e construção civil.
 
Festas e romarias: Santo António, S. Bento, Senhora da Luz (2 de Fevereiro) e S. Jorge (23 de Abril).
 
Património cultural e edificado: Igreja paroquial, Casa da Quintela, Casa da Bouça, Casa dos Varaus, Casa da Pouzadela e capelas de Vilar e de Gração.
 
Outros locais de interesse turístico: Albufeira da barragem do Touvedo, praia fluvial (Senra) e lugares de Gração e Vilar.
 
Artesanato: Tecelagem, mantas de farrapos e bordados.
 
Colectividades: Associação Cultural e Recreativa de S. Jorge, Reserva Associativa de Gião (caça), Associação de Pesca Desportiva de S. Jorge , Rancho Folclórico Danças e Cantares de S. Jorge e Associação de bombos ``Os Dragões de S. Jorge ´´.
 
 

RESENHA HISTÓRICA DE SÃO JORGE
 
 
Em 1258, na lista das igrejas situadas no território de Entre Lima e Minho, elaborada por ocasião das Inquirições de D. Afonso III, é citada como sendo uma das igrejas pertencentes ao bispado de Tui.
 
Em 1320, no catálogo das mesmas igrejas, mandado organizar pelo rei D. Dinis, para o pagamento de taxa. São Jorge foi taxada em 60 libras.
 
Em 1444, a comarca eclesiástica de Valença foi desmembrada do bispado de Tui, passando a pertencer ao de Ceuta, até 1512.
 
Neste ano, o arcebispo de Braga, D. Diogo de Sousa, deu a D. Henrique, bispo de Ceuta, a comarca eclesiástica de Olivença, recebendo em troca a de Valença do Minho. Em 1.513, o papa Leão X aprovou a permuta.
 
No registo da avaliação dos benefícios eclesiásticos da comarca de Valença, efectuada em 1546, sendo arcebispo D. Manuel de Sousa, a igreja de São Jorge de Valdevez rendia 40 mil réis.
 
Segundo Américo Costa, a igreja encontrava-se provida de dois abades, sendo um deles com cura, que dividiam entre si os dízimos e primícias. O abade com cura era apresentado pela Mitra ou pelos cónegos de Santa Cruz de Coimbra, alternadamente.
 
Primeiramente foi da apresentação "m solidum'"' do convento de Muia com reserva do arcebispo. O outro era da apresentação dos viscondes de Vila Nova de Cerveira, não tendo quaisquer obrigações paroquiais.
 
 
 
Em 1758, o abade de São Jorge, Manuel Barbosa Duarte, ao descrever a freguesia, detinha-se longamente na influência do rio Lima nesta terra. Relatava que o rio cria «muita truta, vogas e escalo, e algum barbo; lampreias, sáveis e salmões». E lembrava que «não há nele couto, mas se pesca ordinariamente e sem licença de donatário algum».
 
«Tem barco nesta freguesia, distante desta igreja um tiro de bala de espingarda», acrescenta o abade Barbosa Duarte.
 
A freguesia possuía dois abades, um com cura (coadjutor) e outro sem ele.
 
O abade com cura era apresentado alternativamente pela mitra e pêlos cónegos de Santa Cruz de Coimbra. O abade sem cura, que não tinha qualquer obrigação paroquial, «limitando-se o seu serviço a receber e gastar rendimentos» a estas abadias se dava o nome de benefícios simples, era apresentado pêlos viscondes de Vila Nova de Cerveira.
 
No «Portugal Antigo e Moderno», dava-se conta, aqui, da existência de «um poço, no rio Lima, em que os lavradores deitam a nadar o gado doente, na crença de que fica são. Esta virtude curativa é atribuída pela tradição à passagem de um santo (que se supõe ser São Julião) por este sítio, fugindo à perseguição dos romanos e que foi, por fim, preso e martirizado em Flavia Lambria, que segundo uns ficava entre Monção e Valadares, no sítio das Caldas e, segundo outros, em Lindoso».
 
Relacionada com este costume está a história, passada na aldeia de Garção, contada por Pinho Leal na mesma obra: «Um certo fidalgo, tomando o nome suposto de D. Martim Velho, por alguma circunstância que se ignora, veio com sua mulher habitar para o lugar de Outeiro Maior, no sítio chamado Vila Boa. Com algum dinheiro que trazia, comprou gados que constituíram o seu principal património» (...)
 
«Como lhe adoecessem, os trouxe a banhar a este poço do Lima, onde melhoraram. D. Martim se veio a estabelecer em um sítio próprio, a que deu o nome de Gração que, no antigo português, dizem que significa bonito, engraçado, e que depois se corrompeu em Garção».
 
«Junto à casa em que vivia, tinha sempre este fidalgo, sobre o caminho, uma cesta em um poste, com pão, vinho e carne, ou peixe, para os passageiros».
 
«Por isto e pela bondade de D. Martim, seus descendentes foram sempre muito considerados e respeitados por estes sítios, sendo isentos de todos os trabalhos servis ou empregos vis do município; mesmo os desta família que tinham caído em pobreza». «Este D. Martim, velho, e sua mulher são progenitores dos Cerqueiras e Taveiras, nobres famílias da província do Minho», remata Pinho Leal.
 
Existe informação de que esta freguesia teria tido cinco ermidas. «Uma, que ficava no Lugar de Souto, na Quinta da Bouça, a qual orago Nossa Senhora do Rosário, e a fabrica o Padre Francisco Pereira Pinho, e nenhuma destas Ermidas tem Irmandade, nem concurso de romagem».
 
 


 

Informação Sumária de Ermelo


Padroeira: Santa Maria.

Habitantes: 92 habitantes (I.N.E.2011) e 233 eleitores em 05-06-2014.

Actividades económicas: Agricultura e pecuária.

Festas e romarias: S. Bento, Santa Maria, Santo António, S. Sebastião e Senhora dos Remédios.

Património cultural e edificado: Mosteiro do Ermelo, Igreja do Convento, Igreja de Santa Maria, Igreja de S. Bento e Cruzeiro.

Outros locais de interesse turístico: Lugar de Vilarinho do Souto e margem da albufeira no lugar da Igreja.
 
 
Resenha histórica de Ermelo
 

A história desta igreja está associada à do mosteiro cisterciense de Ermelo que, segundo declaração do abade Frei João Martins e testemunhas afonsinas, de 1258, terá sido transferido de São Pedro dos Arcos para esta freguesia.

Segundo o Padre Avelino Jesus da Costa, que se fundamenta na opinião de Félix Alves Pereira ("Epigraphia Christiano-Latina-uma inscrição inédita") sobra a datação de uma necrópole e inscrição aí gravada, o mosteiro de Ermelo poderá ser anterior a D. Teresa. Esta não terá sido a sua fundadora, mas restauradora e benfeitora, doando-lhe muitos bens. D. Afonso Henriques coutou São Pedro do Vale a este mosteiro e os reis D. Afonso II e D. Afonso III legaram-lhe nos seus testamentos, em 1221 e 1271, 100 morabitinos e 50 libras, respectivamente.

Em 1258, na lista das igrejas do bispado de Tui situadas no território de Entre Lima e Minho, elaborada por ocasião das Inquirições de D. Afonso III, o padroado da igreja pertencia ao rei.

Em 1320, no catálogo das mesmas igrejas, que o rei D. Dinis mandou elaborar, para determinação da taxa a pagar por cada uma delas, o mosteiro de Ermelo foi taxado em 200 libras. Apesar de desafogada situação económica em que se encontrava nessa época, o mosteiro veio a ressentir-se da recessão demográfico-económica que se verificou desde meados do século XIV a meados do seguinte. Por este motivo, o abade D. Frei João Martins solicitou ao rei D. João I a anexação ao mosteiro das igrejas de Britelo e de Soajo.

Em 1441, porém, o mosteiro foi reduzido a igreja paroquial por ser "de muy poucas rendas" (José Marques, "O mosteiro de Bulhente", doc.3).

Em 1497, o rei D. Manuel procurou modificar esta situação, confirmando ao mosteiro todas as honras, mercês e privilégios, que os seus antecessores lhe haviam outorgado.

Esta confirmação, bem como a anexação da igreja de São Pedro do Vale, não lograram, contudo, alcançar a melhoria pretendida da situação económica do mosteiro. Em 1533, o abade geral de Claraval, na França, visitou este mosteiro, tendo-o encontrado muito arruinado e sem rendimentos para sustentar um único monge. Por este motivo tomou a resolução de o suprimir. O mosteiro de Ermelo dependia do mosteiro de Giães e, através deste, do de Claraval.

Em 1546, na avaliação mandada efectuar pelo arcebispo D. Manuel de Sousa, Santa Maria de Ermelo, então denominada "Armello" rendia apenas 22 mil réis. Enquadrava-se nessa época no concelho de Soajo.

No Censual de D. Frei Baltasar Limpo (1551-1581) registou-se sumariamente: "Ermello, Samcta Maria, mosteiro da Ordem de Cister, Del Rey".

Todavia, só em 1581, o comendatário desistiu em favor de Alcobaça, ficando os seus bens anexos ao colégio universitário de São Bernardo de Coimbra.

Em termos administrativos, este freguesia pertenceu, em 1839, à comarca de Monçaõ e, em 1852, à de Arcos de Valdevez. Em 1878, fazia parte do julgado do Soajo.

 
( Fontes consultadas: Inventário Colectivo dos Arquivos Paroquiais vol. II Norte Arquivos Nacionais/Torre do Tombo e Freguesias Autarcas do Século XXI).
Novos Autarcas...
2014-03-13 12:15:00 Em virtude das recentes eleições e da agregação de freguesias...
Tempo Viana do Castelo